10 novembro 2008

Maldito

Ele me contaminou
Me beijou a ferida aberta
Me cuspiu o sêmem do desalento na testa
Me levou as forças de esperá-lo
Não que estava feliz, nem que agora esteja triste
Na distância meço o vazio
Que me rodeia e me invade
Me asfixia de ansiedade
Eu jamais pediria para deixá-la
Embora pense nisso todos os dias
Penso e logo desisto...

Nenhum comentário: