14 outubro 2017

Eu não me escondo

Eu peço singelamente por mais um gozo
Anuncio que desejo um sábado com hidro
Pergunto que dia voltas para dormir comigo Questiono por que vens e porque vais
No fundo eu sei
No fundo, gostaria de não saber
Você quer seu espaço
Eu receio ser uma encheção de saco
Viro uma figura, uma artista falida
Pelas farpas do amor moderno
É elementar meu caro
Eu não tenho sido clara
Eu que voltei a pouco querendo muito
Teus óculos não vão te mostrar
Eu sei que é outra época
Não me diga o que não faria hoje
Eu jamais te colocaria em perigo
Venhas e volte
Meu bem, meu amor, meu amigo
Sem que eu te entenda
O que me importa é ter você por perto
Comigo
Em mim
Sobre mim

30 setembro 2017

Um beijo de mulher

Conhecida camarada
Imponente como macho
Experiente com cigarros
Trejeitos femininos
Transferiu-me o seu trago
Num beijo bem amargo
Um sopro de fumaça
Emponderou meus sentidos.

26 setembro 2017

Eu gosto sempre!

Uma esquisitice...
Bonito ver semelhança com Beauvoir
Mas só posso falar por mim...
Falar pelos meus olhos
Falar para uma pessoa estranha
Desse estranho amor
Quando me deito contigo
Declamo palavrões como quem recita poesia
Rasgo os lençóis de vontade
Vomito meu silêncio
Acordo palpitante de saudade
Planejo fugir com caneta e papel
Rabiscar sua volta uma semana depois
Degustar a presença pelo exagero da falta
Entoar minha respiração nas suas artérias
Depois do gozo um questionário amoroso
Permanecer no estranho encantamento
Penso em matar esse amor afogado
Mas quando meu corpo pára
Eu penso com calma
Nas boas histórias para a posteridade.

22 setembro 2017

Marido de aluguel

Instale o chuveiro
Troque a lâmpada
Dê banho no cachorro
Arrume a antena
Me leve ao cinema
Equilibre a geladeira
Conserte o cabo da frigideira
Preciso de um filtro de linha
Trilho de cortina
De uma linda calcinha
Alinhe os pneus
Encomende novo espelho
Olhe a bucha da descarga do banheiro
Compre uma raquete para os pernilongos
Esfregue minhas costas no banho
Troque o tambor da fechadura
Verifique o óleo do motor
Me ajude a torcer o cobertor
Veja a borracha da panela de pressão
Me abrace de conchinha
Traga a furadeira
Pois em casa de mulher solteira
Um marido de mentira é sempre bem vindo.

Lúdico fluir

Eles chegaram juntos
Ficaram descalços
Ele pediu a bebida
Ela ligou a hidro
Troca de olhares ausentes
Cultivo para o estranho silêncio dela
Novidade para sua boca tagarela
Expectativas programadas
Partiram para o que realmente interessava
Ela permanecia muda,  de olhos fechados
Pensava nos panos de prato de molho
Na sua cadela lambendo água sanitária
Onde estaria aquele danado
E o vazamento da pia?
Quanto custaria um marido de aluguel?
Mercado promissor...
Ausência de concorrência...
Quanto um profissional cobra para tapar buracos?
O corpo da mulher é bem mais barato
O prefácio gerou súbita conclusão
O desfecho conforme esperado
Tudo era questão de opção.
De repente ela acorda com taquicardia
E pensa, preciso mesmo é de uma sauna!


20 setembro 2017

Sem riso

Amo fundo
Não peço
Não sei ser rasa
Voo alto
Me atiro com peso
Isso pesa
Até o corte das asas
Passeio pelo ralo
Atravesso o esgoto
Potabilizo
Para outras bocas
Potencializo
Para outros bicos
Sensibilizo
Para outros becos
Metabolizo
Com cevada