03 abril 2018

Lua cheia


Quando o ouvi
Excitei Neruda, recitei Vinícius
Querendo ouvir gemido

  O comi com os olhos
Só toquei seu ombro
Violão ao pé do meu ouvido


Tramei com a lua
Fogão aceso
Lamentei profundo
De outra era marido


27 março 2018

Agradeço

Gratidão! Essa é a palavra
Pelo primeiro beijo seco e áspero
Pela ternura do primeiro amor
Descoberto  nos corredores da escola
Pelas pelúcias e cartas perfumadas
Pelos chocolates em formato de coração
Pelas flores de mentira
Os melhores beijos no portão
Pelas promessas de vida
Projetos de futuro
Fortaleza para uma alma desamparada
Esperança de adolescente deslumbrada
A vida flui
A fila anda
Vamos lá, é hora de amar o próximo!
Gratidão!
Pelos insistentes elogios
Aqueles que eu desacreditada
Sou grata pelas diferenças apontadas
Por não gostar de poesia
Mas mesmo assim me fazer companhia
Pelos esforços para o trabalho
Admirável determinação de aprendiz
Pelos vinhos e chocolates brancos
Pelos silêncios que me feriam
Pelos filmes na madrugada
Pela alegria quando eu te via
De skate na mão e boné para traz
Na porta da escola ao final do dia
Obrigada por despertar dúvida
Por me mostrar o que é um homem bom
Por me fazer entender o peso das escolhas
Gratidão sempre
Ao mesmo tempo que será sempre amor
Talvez nunca tenha sido
Amostra frustrada de marido
Fizemos juntos o protótipo perfeito
Daquilo que somos mas não fomos
Agradeço as sinceridade
As mentiras
As desculpas da raça masculina
O amor, estranho amor
De quem desvincula respeito do tesão
Agradeço os torras
As críticas desconstrutivas
Os falsos elogios
Agradeço pelo engano
O salvo engano
Que me libertou
Eu não seria eu se tivesse amado menos
Se não tivesse tentado
Se estivesse arrependida
Gratidão por ter agora a visão do que foi
Clara como um farol litorâneo
Iluminado pela luz natural
Do que um dia já foi escuridão. 

25 março 2018

Somos

Somos mulheres
Gostamos de nos sentir especiais
De ser chamada por um apelido carinhoso
Nunca antes utilizado para outra
Parecidas em muitas coisas
Diferentes no essencial
Cada uma com seus limites
Cada uma pesa o que mais lhe convém
Não confunda nossos nomes
Não troque nossas histórias
Não repita uma estratégia
Pelo resultado positivo da sua estatística
Somos sensíveis
Beijamos de olhos fechados
Choramos ao final das novelas
Não julgue nos conhecer bem
Seu suposto conhecimento da raça
Não rotule como pirraça
Demora tempo
Mas também sabemos
Desvalorizar uma piroca
Amamos pela forma que somos tratadas
Deixamos de amar pelo mesmo motivo
Somos mulheres
Se dê a um mínimo de trabalho
Use táticas  diferentes.

23 março 2018

Quando ele me beija

Quando ele me beija lentamente
De olhos fechados
Lábios salgados
Me sinto uma atriz de cinema
Gravando a beira mar.

Quando ele me beija com pressa
Imponente
Com possibilidade de batermos os dentes
De olhos abertos
Trocamos mensagens
De onde queremos chegar.

Quando ele me beija na testa
Aponta para o seu ombro
Eu me encosto devagar
Um cafuné depois de um tempo
Assuntos em alento
Amor para recomeçar.

26 fevereiro 2018

Aperto

Aperte
Aperte o cerco
Aperte-me
Pegue onde não falta carne
Aperto
Aparte a saudade
Aproxime-se
Chegue perto
Não parta hoje
Durma aqui
Em outro estado estou
De longe
Observo o aperto
Que não parte de mim
Mas que me parte
Em pedaços



Alhures


30 janeiro 2018

A cura vem da solidão

Planejei ficar invisível
Na companhia de um livro
Nada mais
Observando o tempo passar
Gozar da solidão
Nascer com o sol
Mergulhar de barbatanas
Voar com a imaginação
Andar nua pela casa
Levar um desconhecido para cama
Ouvir estranhos elogios
Concentrar
Sem relógio ou celular
Sem ter hora para acordar