04 janeiro 2009

Aos meus leitores.

O universo da escrita é uma coisa muito louca, muito linda,sabe cara, não me preocupo em agradar os possíveis leitores, como não me preocupo com nexo, com o entendimento perfeito dos meus preceitos poéticos. Estou fazendo o que eu gosto, o que mais me dá prazer (ops, o que mais me dá prazer é fazer amor , e depois comer chocolate e beber Chateu devalier ).
O mágico desse lance de poesia é que uma única escrita pode causar vários efeitos em uma mesma pessoa em momentos diferentes, cada um tem suas particularidades de vida, não dá pra esquematizar e prever o efeito que cada poesia terá em cada um dos meus leitores. Nem sempre falo de mim, de situações que realmente aconteceram,quando escrevo sou libertina,romântica, astuta, fraca, sou tudo, e nem sempre sou o que eu queria ser,não tenho regras, não tenho estilo, simplismente escrevo e adoro comentários, as críticas são os melhores comentários, com elas cresço cada vez mais, ou não né? Acho que mais uma vez depende do ponto de vista, pra saber se evoluí ou não. E essa enquete me diverte, me alimenta o ego. E como toda capricorniana aqui lá vai mais uma mania de explicação.
Um exemplo, antes , se eu lesse uma poesia do Charles Bukowski, iria achá-lo um puta de um pornógrafo, safado, não iria gostar.Era uma jovem feminista. Hoje continuo achando um safado, mas gosto. Tem escritores que são vistos como uma merda, mas estão na lista dos mais vendidos, acho que cair no gosto popular é que deve ser uma merda, pois o bom gosto hoje é uma coisa rara. Aliás, é dificílimo, pois uma porcentagem mínima dos brasileiros tem o hábito de ler.
Ah!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Viva a liberdade de expressão, alguns detestam o Augusto dos Anjos, eu o já o amo, fazer o que ? Minha bunda coça agora, e eu paro de digitar um pouco para coçá-la e beber um pouco do meu vinho barato que não é o Chateu devalier, mas que me serve agora mesmo depois que esquentou no rack do computador enquanto eu soltava esse salmo explicativo, agora encerro com um brinde a todas as fêmeas que me detestam, e aos machos que me esperam, (Risos). EM UMA TARDE DE AUTÓGRAFO EU DECLAMAREI TODO O MEU AMOR INCONDICIONAL POR TODOS VOCÊS.

Um comentário:

Anônimo disse...

Não se trata de ter uma escrita popular ou mais intelectualizada, também não estou questionando sua ânsia de transcrever suas empolgações, mas, infelismente, a primeira coisa que qualquer escritor tem que se preocupar é em ser coerente. É muito fácil e muito cômodo expor um monte de vontades que vem de dentro. Se fosse assim qualquer pessoa seria poeta. Despeço- me, sem brindes, senão seria hipocrisia da minha parte.

PS: você tem que aprender também a lhe dar com as críticas, não aceitá- las, mas analisá- las.