09 janeiro 2012

Mães bêbadas

Grávida eu era permanentemente bêbada

Esperava pelas tardes alaranjadas sentada no quintal

Os crepúsculos seguidos do cair da noite

O frescor das cigarras cantantes

Esperava tanto por aquele amor

Que era um, que são muitos

Mães bêbadas , o amor se propaga sem fronteiras

As lástimas que adotamos, Pietá desnuda

Que era uma e hoje são muitas.

Nenhum comentário: