01 junho 2012

A um poeta no anonimato

Surge bela dama, bailante de toque singelo


Dança no asfalto, na praça, em casa

Se aproxima

Irradia

Como bússola que desorienta

Em um salto adormeço dentro da sua mansidão

Na rua, na chuva no chão

Ela permanece entre nós

Um triangulo amoroso

Façamos amor

Eu, você e a poesia.

3 comentários:

Estrela disse...

Lindo!Lindo!
É tudo o que sei dizer,pois tocou-me profundamente.
Bjus!

Estrela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patricia Alhures disse...

Agradeço pela sensibilidade, a intenção era de tato mesmo.