04 fevereiro 2015

Mudança

Me mudo
Me mudam
Me imundo de palavras
Respingam naquela vida branca do interior
Desbotam o filho preto
Que nasceu da minha transmutação
Muda fico
O que falo não faz sentido
Eu me sujo para teu coração limpo
Já fui eu antes de ser moída
Hoje nem sei mais mudar
"Já morei em tantas casas que nem me lembro mais"

Nenhum comentário: